No universo tributário brasileiro, identificar os beneficiários de isenções e não incidências fiscais é crucial para compreender as dinâmicas da arrecadação e os incentivos concedidos pelo Estado. Sob a ótica do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), encontramos uma lista de entidades que escapam das obrigações tributárias sobre o faturamento ou receita.

  • Templos religiosos: espaços de culto de qualquer crença, que por sua natureza espiritual, são excluídos do rol de contribuintes;
  • Partidos políticos: entidades fundamentais para o funcionamento democrático, são desoneradas das contribuições sociais;
  • Instituições de educação e assistência social: abrangendo instituições conforme o artigo 12 da Lei n° 9.532/97, promovem a educação e assistência sem fins lucrativos;
  • Entidades filantrópicas, recreativas, culturais e científicas: desenvolvem atividades em prol da comunidade sem buscar lucro, conforme previsto no artigo 15 da Lei 9.532/97;
  • Sindicatos, Federações e Confederações: organizações que representam os interesses dos trabalhadores e não estão sujeitas à contribuição sobre o faturamento;
  • Serviços sociais autônomos: entidades autônomas, criadas ou autorizadas por lei, para prestação de serviços de interesse coletivo;
  • Conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas: organismos responsáveis pela regulamentação e fiscalização de profissões específicas;
  • Fundação de direito privado e fundações públicas: instituições com finalidades diversas, desde que instituídas ou mantidas pelo Poder Público;
  • Condomínios residenciais ou comerciais: não estão sujeitos às contribuições sobre seu faturamento;
  • Organização das cooperativas brasileiras e estaduais de cooperativas: reconhecidas pela Lei 5.764/71, estão isentas conforme o artigo 105, § 1°.

Essa lista compreende uma gama diversificada de entidades, cada uma com suas particularidades e contribuições para a sociedade.

Isenções e não incidências de PIS e Cofins

Além das entidades mencionadas, existem situações específicas em que as receitas estão isentas ou não incidem sobre o PIS/Pasep e a Cofins:

  • Exportação de mercadorias: receitas provenientes da exportação de bens para o exterior estão isentas das contribuições;
  • Serviços prestados a residentes ou domiciliados no exterior: quando o pagamento representa entrada de divisas, os serviços prestados estão isentos;
  • Vendas para empresas comerciais exportadoras: vendas realizadas com o fim específico de exportação têm isenção;
  • Vendas de querosene de aviação: quando destinado ao consumo em aeronaves em tráfego internacional;
  • Vendas de biodiesel: quando realizadas por pessoa jurídica não enquadrada como importadora ou produtora.

A EFD-Contribuições, disponível no portal do SPED, apresenta uma tabela específica (4.3.16) com os produtos sujeitos à isenção, proporcionando transparência e diretrizes claras.

Isenção, não incidência e imunidade

No contexto tributário, é essencial compreender as nuances entre isenção, não incidência e imunidade:

  • Imunidade: trata-se de uma limitação constitucional do poder de tributar, impedindo a incidência de determinados tributos em situações específicas. Exemplos incluem imunidade recíproca, dos templos e dos partidos políticos;
  • Isenção: dispensa legal do pagamento de um tributo, concedida por meio de lei específica. Diferencia-se da imunidade pela necessidade de legislação para sua concessão;
  • Não Incidência: situações em que, embora os fatos geradores estejam presentes, a legislação não prevê a obrigação tributária. É diferente da isenção, pois não há obrigação a ser dispensada.

Esses conceitos fornecem a base para compreender as complexidades do sistema tributário brasileiro e suas ramificações legais.

O entendimento das isenções, não incidências e imunidades é fundamental para empresas, entidades e contribuintes individuais. A complexidade do sistema tributário exige uma compreensão clara das regras e exceções, garantindo conformidade fiscal e evitando contingências legais. Ao entender o funcionamento do PIS/Cofins, os agentes econômicos podem tomar decisões informadas e estratégicas, contribuindo para um ambiente de negócios mais transparente e eficiente.

Fonte: Informativo Mensal – Contabilidade Noce – maio/2024

Informativo Contábil Empresarial - maio/2024

 

Acesse outras notícias como esta clicando aqui

 

Com base em 83 avaliações
Everli Souza
Everli Souza
20/10/2023
Ótimos profissionais, atendimento excelente, ágeis na execução do que é contratado. Eu recomendo
Luis SampaioVT
Luis SampaioVT
16/06/2023
Excelente escritório, com profissionais totalmente capacitados e experientes e prontos a resolver tudo que seu cliente necessita! Obrigado
Jennison Mendes
Jennison Mendes
26/05/2023
Atendimento excepcional, profissionais do mais alto níveis, agilidade e muito atenciosos... Indico muito
Gabriele Oliveira
Gabriele Oliveira
15/05/2023
Cláudio é um contador muito atencioso e respondeu todas as minhas dúvidas com rapidez e de forma clara. Gostei muito do seu atendimento e do seu serviço.
F Santos
F Santos
08/05/2023
Excelente atendimento e rico em informações. Vai ser um prazer trabalhar com a Noce.
Antonio Audiomed
Antonio Audiomed
05/04/2023
A Contabilidade Noce tem um time nota 10 sempre disposto para atender todas nossas dúvidas. Super recomendo!
Susana Coradin
Susana Coradin
22/03/2023
Primeira vez que utilizo o serviço dessa empresa, solicitei declaração de imposto de renda, tudo feito via online, encantada com a atenção e rapidez do atendimento, parabéns aos profissionais, fico muito grata!
Jan Soares
Jan Soares
27/02/2023
Muito atenciosos, competentes e ágeis. Sempre estão dispostos a tirar as dúvidas que tenho com meu CNPJ.

 


Anúncio:

Curitiba Ponto Comercial

Somos a maior assessoria especializada na venda e na compra de Pontos Comerciais, Negócios e Empresas de Curitiba-PR.

Quer saber mais? Acesse: curitibapontocomercial.com.br